Roma (Itália) Jesus encontrou homens e mulheres que reconheceram nas suas palavras e ações o modo de falar de Deus e de relacionar-se com Ele, indicando o caminho em direção à fé, que conduz à salvação. O chamado a seguir Cristo está na raiz de cada outro chamado.

As  diversas formas de seguir a Cristo exprimem, cada uma a seu modo, a missão de testemunhar o evento de Jesus, no qual cada homem e cada mulher encontram a salvação. Cada comunidade educativa, qual ícone das diversas vocações na Igreja, mediante a transparência evangélica das relações e também através dos limites, se apresenta como imagem visível do chamado de Deus e da resposta a Ele. É importante que não seja posto em confronto o valor das diversas vocações, mas que se apreciem o valor de cada uma, para descobrir a mais adaptada a cada pessoa.

A Mensagem do Papa Francisco para o Dia Mundial de Oração pelas Vocacções, que se celebra em 3 de maio de 2020, apresenta quatro palavras chave fundamentais: gratidão, coragem, fadiga e louvor.

Deus chama cada pessoa a uma vocação particular, havendo um plano para cada um, chama cada um pelo nome, portanto, a responsabilidade é de aprender com gratidão e sabedoria como escutar, como perceber o seu chamado, como ser corajosos e fiéis em seguir a vocação, superando a fadiga por meio da fé em Cristo, tornando a vida um canto de louvor a Deus, sob o exemplo de Maria que fez de sua vida um eterno canto a Deus. Quatro palavras-chave que Papa Francisco ilustra tendo como fundo o trecho que nos relata a singular experiência ocorrida com Jesus e Pedro durante uma noite de tempestade sobre o lago de Tiberíaade (cfr. Mt 14,22-33).

Gratidão: «Navigare verso la rotta giusta non è un compito affidato solo ai nostri sforzi, né dipende solo dai percorsi che scegliamo di fare. La realizzazione di noi stessi e dei nostri progetti di vita non è il risultato matematico di ciò che decidiamo dentro un ‘io’ isolato; al contrario, è prima di tutto la risposta a una chiamata che ci viene dall’Alto. È il Signore che ci indica la riva verso cui andare e che, prima ancora, ci dona il coraggio di salire sulla barca; (…) riusciremo a scoprirla e abbracciarla quando il nostro cuore si aprirà alla gratitudine e saprà cogliere il passaggio di Dio nella nostra vita».

Coragem: «O Senhor sabe que uma opção fundamental de vida – como casar-se ou consagrar-se de forma especial ao seu serviço – exige coragem. Ele conhece os interrogativos, as dúvidas e as dificuldades que agitam o barco do nosso coração e, por isso, nos tranquiliza: «Não tenhas medo! Eu estou contigo». A fé na presença d’Ele que vem ao nosso encontro e nos acompanha mesmo quando o mar está revolto».

Fadiga: «Toda a vocação requer empenhamento. O Senhor chama-nos, porque nos quer tornar, como Pedro, capazes de «caminhar sobre as águas», isto é, pegar na nossa vida para a colocar ao serviço do Evangelho, nas formas concretas que Ele nos indica cada dia e, de modo especial, nas diferentes formas de vocação laical, presbiteral e de vida consagrada. À semelhança do Apóstolo, porém, sentimos desejo e ardor e, ao mesmo tempo, vemo-nos assinalados por fragilidades e temores. Se nos deixarmos arrastar pelo pensamento das responsabilidades que nos esperam – na vida matrimonial ou no ministério sacerdotal – ou das adversidades que surgirão, bem depressa desviaremos o olhar de Jesus e, como Pedro, arriscamo-nos a afundar. Pelo contrário a fé permite-nos, apesar das nossas fragilidades e limitações, caminhar ao encontro do Senhor Ressuscitado e vencer as próprias tempestades. Pois Ele estende-nos a mão, quando, por cansaço ou medo, corremos o risco de afundar e dá-nos o ardor necessário para viver a nossa vocação com alegria e entusiasmo».

Louvor: «Esta é a última palavra da vocação, e pretende ser também o convite a cultivar a atitude interior de Maria Santíssima: agradecida pelo olhar que Deus pousou sobre Ela, superando na fé medos e perturbações, abraçando com coragem a vocação, Ela fez da sua vida um cântico eterno de louvor ao Senhor».

Uma leitura aprofundada da Mensagem do Santo Padre pela 57ª Jornada Mundial de Oração pelas Vocações revelará a sua preciosidade e estimulará a vivê-la plenamente. A Igreja é chamada a continuar a promover as vocações, «abrindo brechas no coração de todos os fiéis, para que cada um possa descobrir com gratidão a chamada que Deus lhe dirige, encontrar a coragem de dizer «sim», vencer a fadiga com a fé em Cristo e finalmente, como um cântico de louvor, oferecer a própria vida por Deus, pelos irmãos e pelo mundo inteiro». Neste caminho, a Virgem Maria acompanha e intercede por cada um.

O Âmbito da Pastoral Juvenil das Filhas de Maria Auxiliadora coloca à disposição um vídeo resumido da Mensagem do Santo Padre:

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira seu comentário!
Please enter your name here

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.