Home Conselheira para a Formação

Conselheira para a Formação

“A Conselheira para a Formação anima e promove a formação integral e contínua das Filhas de Maria Auxiliadora, na fidelidade ao carisma e às exigências especíricas dos vários contextos. Segue especialmente o período inicial” (C.128)

Desde 2014 o Âmbito para a Formação é animado e coordenado por Ir. Maria Nieves Reboso, Conselheira para a Formação.

Ir. Maria Nieves Reboso

Nasce em Santa Cruz de Tenerife nas Ilhas Canárias (Espanha) no dia 27 de outubro de 1952.

É aluna do colégio Hogar Escuela de Tenerife. Nesse ambiente salesiano realiza seus estudos da Escola Primária até a Escola Superior (Instituto Magistral). Seu grande desejo é viver a missão de professora e educadora, doando às crianças o que ela recebeu de bom.

A experiência daqueles anos ajuda-a a formar-se como educadora salesiana. No colégio não só estuda, mas se envolve plenamente no oratório, no  esporte e participa dos grupos de formação à fé, onde conhece e cresce sempre mais o seu entusiasmo por Jesus. Com as irmãs e outras jovens, dedica-se à missão nas periferias, onde encontra tantas crianças pobres e colabora como animadora do Oratório. Tudo isto que vive a questiona na busca do projeto de Deus sobre si. Essas ricas experiências colocam as bases para sua vida e a preparam para dizer “sim” ao chamado de Deus, atraída também por um grande amor e entusiasmo tanto por Dom Bosco como por Maria Mazzarello. Emite sua primeira Profissão no dia 5 de agosto de 1978 em Madri.

No período do Juniorato frequenta o biênio de Espiritualidade Salesiana na Pontifícia Faculdade de Ciências da Educação “Auxilium”, em Roma. Em seguida obtem o Bacharelado em Teologia no Centro de Estudos Teológicos de Sevilha.
Frequenta um Curso de três anos de Formação para Dirigentes de Exercícios Espirituais na Universidade de Salamanca, organizado pelo Jesuitas. Esta experiência tão preciosa ofereceu-lhe elementos e qualidade para desenvolver sua futura missão de acompanhar e animar os Exercícios Espirituais para as irmãs e os jovens.

Assume tarefas de animação em várias comunidades da Inspetoria, sobretudo nas casas de formação, acompanhando a formação das aspirantes e postulantes.
Colabora desde o início na realização do Projeto Mornese em língua espanhola e acompanha a animação dos diversos grupos de irmãs, leigos e jovens, organizados tanto pelo Centro do Instituto como da própria Inspetoria.
No período em que está como Coordenadora Inspetorial para a Formação coordena o curso de formação permanente para as FMA da Espanha e da América Latina em Sanlúcar la Mayor.
Em seguida torna-se Coordenadora Inspetorial para a Pastoral Juvenil e Vigária Inspetorial e, desde 2009, Inspetora da Inspetoria “Maria Auxiliadora” com sede em Sevilha.
É eleita Conselheira para a Formação durante o Capítulo Geral XXIII. Ao dar sua adesão ao pedido da Madre, Ir. Nieves afirma: “Aprendi com Madre Mazzarello a dizer sempre Sim, também quando as coisas vão além de quanto podem parecer possíveis às minhas forças. Assim se vê melhor o agir de Deus. Com esta confiança digo SIM”.

Na animação do Âmbito para a Formação Ir. Nieves é auxiliada por colaboradoras:

  • Fisichella Maria
  • Miranda Anelfreda
Le collaboratrice nell'Ambito per la Formazione
As Colaboradoras no Setor de Formação

 

O Âmbito se empenha para assumir um estilo de animação que promova a unidade vocacional e a qualidade da missão educativa. Realiza a coordenação para a comunhão através da reflexão e da procura, em colaboração com os outros Âmbitos e com as Conselheiras Visitadoras.

Cuida especialmente das formadoras para que, na fidelidade aos critérios estabelecidos pelas exigências do carisma, possam ser acompanhadas em seu itinerário de crescimento e no assumir e atuar o ministério que lhes foi confiado, também mediante propostas formativas oferecidas pelo Âmbito.
Promove a inculturação do Projeto Formativo, levando em conta a internacionalidade das presenças e do perfil intercultural da comunidade.
A formação é em si mesma uma «progressiva assimilação dos sentimentos de Cristo». É um caminho que dura a existência toda e envolve toda a pessoa, coração, mente e forças para torná-la semelhante ao Filho que se doa ao Pai pela humanidade. É «participação na ação do Pai que, mediante o Espírito, plasma no coração […] os sentimentos do Filho».

Em nossa vida de FMA a formação assume as características da específica experiência de Espírito Santo que Dom Bosco e Madre Mazzarello nos transmitiram, e que nós, pessoal e comunitariamente, temos o dever de viver e desenvolver em sintonia com o corpo de Cristo em perene crescimento (C.77).

Processos em andamento

  • Reflexão, elaboração e transmissão das Orientações para a etapa formativa do Juniorato.
  • Continuação dos caminhos de inculturação do Projeto Formativo – Nos sulcos da Aliança – avaliando e monitorando os processos de elaboração dos itinerários Formativos inculturados para a formação permanente e inicial.
  • Formação das Mestras das noviças na tarefa confiada a elas: ‘ensinar’ as Constituições, como caminho privilegiado para a adquirir a identidade carismática de FMA.
  • Acompanhamento dos noviciados da Europa e do Oriente Médio para garantir a gradualidade e continuidade dos processos formativos nas etapas iniciais da formação, envolvendo inspetoras, formadoras, comunidade formadora e noviças. .
  • Acompanhamento de algumas realidades no processo de elaboração de Diretrizes para a etapa formativa do pré-PVO em nível de Conferência.
  • Aprofundamento do encontro pessoal, na ótica da mística do encontro, com um grande envolvimento das FMA, para reassumi-lo como elemento chave da nossa espiritualidade, individuando alguns caminhos concretos a percorrer.
  • Cuidado de processos que contribuem para tornar efetivas e para atuar concretamente a estratégia da Coordenação para a comunhão em nível inspetorial e local.
  • Elaboração e orientações para a Formação das neo-diretoras e daquelas que já estão em serviço.
    • Elaboração de Diretrizes para assumir e atuar a tarefa de Coordenadora Inspetorial para a Formação.
    • Processo de reflexão, com o Âmbito para as Missões, sobre vocações indígenas na América, envolvendo as comunidades formadoras, as FMA e as jovens em formação, para escutar e conhecer as especificidades culturais em vista da elaboração de itinerários formativos interculturais.

Documentação