Uma Memória que se faz História

Dom Bosco chegou à decisão de fundar uma Congregação religiosa feminina para a educação das jovens em atenção aos pedidos do seu contexto, da constatação do estado de abandono e pobreza no qual se encontravam muitas meninas; do contato com vários Institutos femininos; da confirmação do Papa Pio IX que o encorajou nesta escolha; de repetidos “sonhos” e fatos extraordinários por ele mesmo contados; da profundidade de sua devoção mariana: “Cuide delas: são minhas filhas” (Sonho 6 de julho de 1862).

Enquanto ele amadurecia esse projeto, em Mornese (Alessandria), Maria Domingas Mazzarello, membro da Associação das Filhas da Imaculada, animava um grupo de jovens que se dedicavam às meninas da aldeia, com o objetivo de torná-las habilidosas na costura e, acima de tudo, orientá-las a serem boas cristãs e cidadãs honestas.
Dois sonhos se encontravam assim convergindo para um idêntico ideal: fazer nascer, também para as meninas e as jovens uma Família Religiosa semelhante àquela dos Salesianos: um novo carisma educativo na Igreja. Para a fundação, Dom Bosco escolhe o grupo das Filhas da Imaculada de Mornese. Maria Domingas Mazzarello foi Cofundadora ao dar forma e desenvolvimento à nova Instituição.

No dia 5 de agosto de 1872 em Mornese o primeiro grupo de 11 jovens emite a Primeira Profissão para ser na Igreja e na sociedade religiosa educadoras das jovens, especialmente das classes populares. Permanecem na Casa da fundação de 1872 a 1879. Nesse breve arco de tempo se plasma uma identidade e uma espiritualidade que toma justamente o nome da aldeiazinha de origem: espírito de Mornese. Dirigidas pela sabedoria formativa de Madre Mazzarello, as FMA conjugam, com criatividade, o Sistema Preventivo de Dom Bosco, com os recursos femininos e com as exigências da educação da mulher e da infância, com uma presença ativa no âmbito da escola e da catequese.

Obtida do Bispo de Acqui a aprovação diocesana das Constituições, no dia 23 de janeiro de 1876, as FMA impulsionadas pelo ardor missionário começam a sair de Mornese para chegar ao Uruguai em 1877 e depois a Argentina. Desde então o Instituto se difunde sempre mais, na Itália, na Europa e na América.

Em 1879 a Casa mãe foi transferida para Nizza Monferrato (Asti) onde o Instituto abre a primeira Escola Normal paara a formação das mestras e experimenta um grande entusiasmo missionário e um aumento prometedor de vocações.

Desde 1891 as FMA estão presentes na Ásia, desde 1893 na África e desde 1954 na Austrália. A missão se realiza em uma pluralidade de ambientes educacionais abertos à multiculturalidade e à inter-religiosidade com uma atenção especial para as crianças, meninas e mulheres. Em toda parte se procura manter vivo o impulso missionário das origens, “elemento essencial da identidade do Instituto” (cf Constituições FMA, art.75) com vigilante atenção para as exigências dos tempos e das Igrejas particulares.

Em 1906-1907 o Instituto, após a publicação das Normae secundum quas (1901), vive o processo de separação da Congregação Salesiana, especialmente no que se refere ao aspecto administrativo e à dependência jurídica do Reitor Mor. Permanece no entanto a comunhão e a colaboração eficaz em compartilhar a espiritualidade do Fundador e a missão educativa.

A partir de 1908 são constituídas as primeiras Inspetorias na Itália e na América Latina. Em 1911, após 39 anos da fundação, o Papa Pio X concede a aprovação pontifícia do Instituto.

As FMA conhecem até hoje um notável desenvolvimento geográfico, que as orienta a dar respostas às necessidades educacionais e emergentes nos cinco continentes, com uma variedade de obras educativas e promocionais surgidas da criatividade e da audácia apostólica das FMA. Em toda parte elas respondem às inéditas pobrezas das crianças de ambos os sexos, das jovens, das famílias, dos migrantes. Deste modo o Instituto continua a experimentar novas formas de vitalidade carismática, também graças à valorização da vocação laical das Ex-Alunas/os e dos Salesianos Cooperadores com os quais compartilha a missão educacional.

Santitade (Perfis)

“Os santos são o reflexo da presença de Deus. Os santos são nossos irmãos e irmãs que acolheram a luz de Deus em seu coração e a transmitiram ao mundo, cada qual segundo a própria tonalidade. Este é o objetivo da vida: fazer passar a luz de Deus” (Papa Francesco).

Mostra do Carisma Salesiano FMA

Mostra Mariana