Roma (Itálai). No dia 8 de fevereiro de 2020, na memória litúrgica de Santa Josefina Bakhita, celebra-se a VI Jornada Mundial de Oração e Reflexão Contra o Tráfico de Pessoas (JMTP).

A primeira edição foi em 2015, por vontade do Papa Francisco que, em resposta aos pedidos de religiosas empenhadas há anos contra o tráfico de pessoas, encorajou as Uniões Internacionais das Superioras e dos Superiores Gerais (UISG e USG) a promovê-la: «Encorajo quantos estão empenhados em ajudar homens, mulheres e crianças escravizados, explorados, abusados como instrumentos de trabalho ou de prazer e muitas vezes torturados e mutilados. Desejo que todos os que têm responsabilidade de governo se esforcem com decisão a remover as causas desta vergonhosa chaga, uma chaga indigna de uma sociedade civil. Cada um de nós se sinta comprometido a ser voz destes nossos irmãos e irmãs, humilhados em sua dignidade» (Papa Francisco – Angelus 8 de fevereiro de 2015).

As Comunidades eclesiais e civis são interpeladas por esta escravidão do terceiro milênio que, presente em toda parte no mundo, coloca em risco a vida e o futuro de crianças, jovens, mulheres e homens. Nos dias 8 e 9 de fevereiro haverá várias iniciativas em tantos países do mundo: momentos de reflexão e de oração, marchas de sensibilização, eventos silenciosos, concertos, encontros.

Na noite de 8 de fevereiro de 2020, na Basílica de Santo Antonio de Pádua in Laterano, em Roma, as Comunidades eclesiais viverão a Vigília de oração e de reflexão intitulada Juntos contra o Tráfico de Pessoas, preparada pela coordenação eclesial e civil, que trabalha para sensibilizar e conscientizar sobre o triste fenômeno do tráfico de pessoas. A vigília será presidida pelo Card. Michael Czerny, sub-secretário da Seção Migrantes e Refugiados.

No dia 9 de fevereiro de 2020, pela manha, será realizada, sempre em Roma, uma marcha de sensibilização que partirá de Castel Sant’Angelo encerrando-se na Praça São Pedro, com a participação na oração do Angelus com o Papa Francisco.

Neste ano a Jornada assume um toque particular: a Rede Internacional da Vida Consagrada contra o Tráfico de Pessoas Talitha  Kum da União Internacional das Superioras Gerais (UISG), celebrou há poucos meses dez anos de vida. Talitha Kum é uma expressão do Evangelho de Marcos (Mc 5,41) que traduzida do aramaico significa: “menina, eu te digo, levanta-te” e é dirigida por Jesus à filha de Jairo, uma garota de doze anos que estava sem vida. Jesus, depois de ter pronunciado estas palavras, tomou-a pela mão e ela imediatamente se levantou e se pôs a caminhar.

Talitha Kum é uma rede que promove iniciativas contra o tráfico de pessoas nos diversos contextos e culturas, atualmente está presene em 77 países nos cinco continentes: 13 na África, 13 na Ásia, 17 na América, 31 na Europa, 2 na Oceania. Nos 34 países onde as redes nacionais ainda não estão constituídas, há grupos ou pessoas de contato. Envolve mais de duas mil religiosas e colaboradoras/es leigos, pois, para contrastar o tráfico ocorre colaborar com diversas organizações em vários níveis.

1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira seu comentário!
Please enter your name here

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.