Roma (Itália) A Madre Geral das Filhas de Maria Auxiliadora, Irmã Yvonne Reungoat, na Circular 997, parte de uma pergunta que surge deste momento de bloqueio da pandemia de Covid-19: “Que futuro nos espera?”.

Em sua reflexão, a madre traz consigo os testemunhos de muitas FMA do mundo que, apesar da gravidade da situação, vivem esse tempo com fé e criatividade em solidariedade.  Uma fé que “não é uma idéia, mas uma vida. Acima de tudo, a fé é uma relacão sempre nova com o Senhor”.

Madre Yvonne nos convida a ir “mais longe” com a força do carisma, lembrando como um momento de fragilidade e fraqueza vivenciado em 1860 por Madre Mazzarello durante a epidemia de tifo levou o Instituto à maturidade.  “Estamos todas escrevendo uma nova página na” crônica “do nosso Instituto: uma página de esperança e de futuro!”.

As questões existenciais sobre o futuro incerto que se abre diante das novas gerações também tocam profundamente a vida das FMA que, como cristãs e educadoras, são chamadas a ser testemunhas de uma fé transparente, com portas abertas, uma fé “missionária”.

“A fé é missionária ou não é fé e deve ser oferecida como um tesouro precioso; não deve permanecer fechada dentro de um recinto de propriedade privada, mas se tornar um sinal do amor e ternura de Deus que abraça a humanidade sofredora: deve “sair” para preparar o terreno para que o Espírito Santo possa agir nas pessoas também através do nosso testemunho”.

A fé é um dom do Espírito para ser compartilhado com alegria: na complexa realidade que estamos vivendo, a Madre nos convida a enfrentar os desafios que o mundo coloca e, juntas, ver os sinais de esperança, o “broto novo” de oportunidade que está surgindo.  : “Algo novo pode florescer neste tempo particular, se nos firmarmos na fé e a testemunharmos com alegria e amor. O amor é sempre uma fonte de novidade, porque é um dom do Espírito Santo que, por sua natureza, surpreende pela criatividade!”  .

A fé é uma meta a ser alcançada caminhando, “um caminho maravilhoso e empenhativo, que exige grande abertura e disponibilidade e não poupa esforços de busca, partilha e confronto”, para levar os jovens, como fizeram Dom Bosco e Madre Mazzarello,  a encontrar a verdadeira felicidade que é Jesus: “Ele é o caminho que nos abre para uma esperança duradoura e inabalável nesta hora de confinamento”.

No caminho para a CG XXIV, a presença de Maria precede e acompanha cada FMA nos caminhos cansativos, mas seguros de hoje: “Cana é o hoje em que vivemos, é o lugar privilegiado onde ouvimos a voz da Mãe que nos recomenda  “fazer” o que Jesus espera de nós: viver e compartilhar a fé como um tesouro que dá força para enfrentar com esperança tudo o que está acontecendo no mundo “. 

A conclusão da Circular 997 é uma proposta “simples e familiar”:

Comprometemo-nos a descobrir em nossa vida, em nossas comunidades e na realidade em que expressamos o carisma, os sinais dos brotos novos, mesmo que apenas potencialmente, e a  irrigá-los com a água límpida da oração, da confiança,  deixando de lado qualquer sentimento de ceticismo, de indiferença, de dúvida. Vamos escancarar as portas de nossos corações e lares ao “sol” da esperança, do amor que nunca desaponta, à fé que nos dá a alegria do encontro!  Ajuda-nos a estar atentas a todos os sinais, mesmo os menores, porque um  futuro novo está germinando neles.  O  Espírito Santo que esperamos no Pentecostes nos faça apaixonar pelo nosso tempo! “.

Circular 997

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira seu comentário!
Please enter your name here

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.