Roma (Itália). Em 15 de novembro de 2021 celebra-se a memória litúrgica da Beata Maddalena Caterina Morano, Filha de Maria Auxiliadora de origem piemontesa que, chamada a cumprir o seu serviço na Sicília primeiro como Diretora, depois como Inspetora, soube inculturar-se e difundir o espírito respirado na Comunidade de Mornese, dando um grande impulso às obras educativas e pastorais.

Como Madre Morano contribuiu para tornar as Comunidades “ambientes vocacionais”?

Irmã Piera Cavaglià, Secretária Geral do Instituto das FMA de 2002 a 2021, retomando os temas do Capítulo Geral XXIV, encerrado no dia 24 de outubro de 2021, mostra como Madre Morano, embora com termos diversos e em um contexto histórico distante do atual, favoreceu nas Comunidades a marca vocacional:

A pergunta faz ressoar em nós um dos fortes apelos do CG XXIV recentemente concluído

“Revivamos e testemunhemos juntas a beleza da vocação salesiana, colocando-nos em estado de formação contínua para um renovado  impulso vocacional.  Somos convidadas a regressar à aliança de amor e a redescobrir a vocação como experiência de encontro com Deus. Ele nos ama, fixou o seu olhar sobre nós, chama-nos a compartilhar a paixão pelo Reino na comunidade humana e eclesial”. (Atos do Capítulo Geral XXIV: Com Maria ser “presença” que gera vida – texto no prelo).

Durante anos a escola empreendeu o aprofundamento desta realidade:  O projeto formativo e as linhas da missão educativa das FMA reafirmam claramente que a animação vocacional encontra na Pastoral Juvenil o seu espaço vital e a PJ torna-se eficaz quando se abre à dimensão vocacional.  Mas isso só pode acontecer dentro de comunidades que são “espaço de crescimento vocacional a cada membro” e uma “proposta vocacional” para as/os jovens (Cf. Nos sulcos da Aliança. Projeto formativo das FMA p. 50 e cf. p. 81-56).

A animação vocacional, portanto, não surge no final do caminho, mas é uma dimensão, uma perspectiva irrenunciável que qualifica cada projeto educativo, cada comunidade, cada fase do crescimento humano.  Não se reduz a alguma estratégia, mas identifica-se com um clima.  O clima experimenta-se dentro de uma comunidade, laboratório vocacional por excelência.

Os pontos de referência de Maddalena Morano e das primeiras Comunidades

Irmã Madalena devia provar uma alegria imensa quando dizia: “Eu vi Dom Bosco, conversei com ele! Eu estava em Mornese, respirei aquele clima, conheci Madre Mazzarello, apertei a sua mão nas suas últimas horas de vida”.

A sua vida, de fato, girou em torno da contínua referência a uma experiência que a marcou em níveis profundos.  No relato do Pe. Lemoyne sobre a doença e morte de Madre Mazzarello, sobre a última noite, lemos: as Irmãs estavam perto de seu leito, parecia que quisesse assegurar-se de sua presença e apertava a mão de Irmã Morano.  Irmã Maddalena Morano estava em Nizza como encarregada das educandas.  Partiria para a Sicília em 5 de setembro de 1881 (cf. Rastro de vida traços de futuro D 122, p. 341).

Ela havia respirado o “espírito de Mornese” e este fato, mais que um privilégio, Madalena o considerava uma missão.  Com efeito, tinha-se proposto ser Santa segundo o estilo de Dom Bosco e de Maria Mazzarello, a todo custo, procurando orientar para esta meta Irmãs e meninas, leigos, leigas e talvez os mesmos párocos com os quais colaborava na missão catequética.

Se se analisa, sequência por sequência, o filme da sua vida, descobre-se qual é a sua concepção de santidade salesiana: não mais pertencer a si mesma, mas realizar-se no amor, como educadora e formadora.

Crianças, adolescentes tinham, de fato, povoado sua vida desde os 14 anos. É impossível pensar em Maddalena senão como guia, mestra de vida, como acompanhadora sábia, decidida e materna.

Indica-nos, com os fatos, a praticabilidade da santidade forjada como guia de outros no caminho da descoberta do projeto de Deus. A sua existência é um sinal transparente de quanto Deus nos ama, por isso a sua vida é apelo aos outros, é chamada vocacional.

Irmã Petronilla Mazzarello, que foi sua mestra de noviças, observou longamente e com complacência aquela noviça que entrou no Instituto aos 31 anos enquanto estava na escola ou brincava entre as meninas e disse sobre ela: “Tinha espírito verdadeiramente salesiano”.

De fato, os seus pontos de referência permanecem, assim como o Evangelho e as Constituições, o espírito da Mornese e Nice, o clima das origens carismáticas, o testemunho das Irmãs nas quais viu encarnar-se a espiritualidade salesiana.  (Texto completo)

No 3º ano de preparação para o 150º aniversário de Fundação do Instituto das FMA, em que as Comunidades Educativas são chamadas a Projetar com audácia o futuro, a experiência de Madre Maddalena Morano é exemplo e incentivo, para as Comunidades Educativas “a celebrar alegremente a fidelidade de Deus e a presença de Maria Auxiliadora que suscitaram o Instituto das FMA e não cessam de lhes acompanhar o caminho”.

6 COMENTÁRIOS

  1. GRAZIE PER AVER ESPRESSO LA SANTITA’ DI MADRE MORANO INNESCATA E FIORITA A MORNESE CON MADRE MAZZARELLO, LE CONSORELLE – E SOTTINTESO – DON BOSCO.
    I TEMPI SONO DIVERSI I VALORI NO, A NOI RISVEGLIARLI, PROGETTARLI, ATTUARLI. GRAZIE SR. PIERA, CONTINUA A DONARCI LA RICCHEZZA DELLE PRIME ORIGINI E POSSIBILMENTE L’AUDACIA OGGI..

  2. Obrigada pela riqueza deste texto sobre M.Morano, Ir. Piera! Foi uma grande mullher, uma santa FMA, testemunha de uma vida entregue à educação das jovens, no espírito do carisma salesiano das origens, “gerando vida” no tempo que lhe coube viver!

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira seu comentário!
Please enter your name here

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.