Roma (Itália). Nos dias 4 e 5 de dezembro de 2019, um bom grupo de Filhas de Maria Auxiliadora, da comunidade da Casa Geral – entre as quais 11 Conselheiras Gerais – visitou a exposição Mater Amazonia: The deep breath of the world (A respiração profunda do mundo), nos Museus Vaticanos. A exposição é a primeira a ser montada nos espaços renovados do Museu Etnológico Vaticano Anima Mundi.

A mostra foi inaugurada em outubro passado, durante o Sínodo Panamazônico, um Sínodo desejado pelo Papa Francisco e dedicado a essa complexa região e às suas populações.

Mater Amazonia é um espaço de vida, de cultura, composto por muitas faces, que permite aos visitantes penetrar naquela realidade e admirar toda a sua beleza, mas também conhecer seus problemas, desafios e ameaças, tanto para a natureza, quanto para as pessoas que moram lá.

Os protagonistas das apresentações multimídia que compõem a Exposição, além dos povos e missionários de origem, são três “ambientes” da vida cotidiana: a floresta, o rio, a “maloca”, que é a casa comunitária.

Mater Amazonia conta não só o relacionameno entre homem e ambiente, mas também o encontro da fé cristã com as populações indígenas, e como estas assimilaram o Evangelho em tantos aspectos da vida  delas.  Esta exposição objetiva solicitar uma reflexão profunda sobre alguns grandes temas, tão queridos ao Papa Francisco e às populações nativas daquelas terras: preocupação pela natureza, justiça para com os pobres, compromisso na sociedade. É um modo original onde imagens, objetos, sons contribuem  para sensibilizar as consciências das pessoas a respeito daquela região que é “o pulmão verde” do planeta.

Visitando Mater Amazonia é possível também “ouvir” o testemunho de leigos, religiosas/os e sacerdotes que, atravé do próprio olhar, falam de uma vida gasta pela causa do Evangelho, doada sem medida, até o fim. Em um grande painel no percurso da exposição, de fato, são apresentados 19 Testemunhas da Amazônia, 12 dos quais mortos porque se posicionaram ao lado dos pobres e dos indígenas e denunciaram um agir políticoeconômico baseado na exploração, ignorando os direitos dos pequenos.  Entre as testemunhas estão também a Beata Ir. Maria Troncatti FMA e o salesiano Padre Luigi Bolla.

O grupo da Casa Geral foi acompanhado pelo Padre Antonio Rovelli, Missionário da Consolata, que apresentou a mostra com muita paixão e entusiasmo missionário, além de destacar a importância de manter viva a atenção sobre a realidade amazônica.  Uma vez terminado o Sínodo Panamazônico, realmente, enquanto se espera o documento por parte do Papa Francisco, corre-se o risco de “virar a página” e não mais falar da Amazônia. No entanto, é urgente e necessário manter despertas  as consciências e continuar sensibilizando as pessoas, porque “tudo está interligado” e a Amazônia – metaforicamente – está presente em todos os continentes,  no sentido de que a vida depende da harmonia e do cuidado da Casa comum, isto é, da preservação da Criação.

Para as FMA, a Amazônia e tudo que acontece lá tem uma importância excepcional, porque naquela terra está presente o carisma de Dom Bosco e de Madre Mazzarello, lá vive e se desenvolve uma parte da história da Família Salesiana.  Lá existe um passado e um presente, que nos impele não só a olhar o futuro, mas a construí-lo, trabalhando ao lado dos mais necessitados e das populações indígenas.

Para as escolas, a visita a Mater Amazonia: A respiração profunda do mundo é gratuita, basta colocar-se em contato com os Missionários da Consolata (Padre Antonio Rovelli), escrevendo no endereço   antonio.rovelli@gmail.com.

Gruppo visita Mostra Mater Amazonia Musei Vaticani

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira seu comentário!
Please enter your name here

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.