São José (Costa Rica). No dia 7 de julho de 2024 celebra-se o 46º aniversário da partida para o Céu da Beata Irmã Maria Romero Meneses (1902-1977), Filha de Maria Auxiliadora da América Central que, como e com Maria Santíssima, cumpriu livremente a Vontade de Deus .

“A obediência encontra realização não nas pessoas bloqueadas na dependência, mas sim nas pessoas livres, capazes de sã autonomia e de decisões, que, com senso de responsabilidade, geram a parábola de comunhão na comunidade” (Nos Sulcos da Aliança. Projeto de formação das FMA, 2001, p. 155).

Como Maria Santíssima que, a partir da sua plena experiência do Espírito Santo, tornou-se livremente escrava do Senhor, instrumento dócil e criativo, mediação da Graça divina, porque «a Palavra de Deus, impregnada do Espírito Santo, se acolhida com o coração aberto, não deixa as coisas como estavam antes. Inspira os bons propósitos e sustenta a ação, dando-nos força e serenidade. Um bom cristão deve ser obediente, porque escuta a Palavra de Deus; criativo, porque tem o Espírito Santo dentro de si que o impulsiona a fazer, a realizar” (Papa Francisco, Audiência de 27 de janeiro de 2021).

Estas duas dimensões, criatividade e obediência, integravam-se e se fundiam maravilhosamente na Beata Maria Romero. Por um lado, gozava de uma inteligência excepcional, unida ao seu talento de artista na música e na pintura. Por outro lado, deixou agir nela o Espírito Santo, uma experiência profunda de Deus que a impulsionava num constante dinamismo a sair de si mesma para se doar aos outros, segundo a Vontade de Deus, superando as tendências à autocompaixão e às pretensões egoístas.

Irmã Maria Romero “ama com um amor que toca as profundezas do seu ser e o ilumina e o consome como a ‘sarça ardente’ de Moisés: ama a Deus e ao próximo n’Ele e por Ele: ama e se abandona totalmente à ação vivificante do Espírito Santo, energia santificadora de Deus operante em nossa vida, que nos transforma” (Dalcerri Lina, in Scritti Spirituali, Vol. 1).

Da sua experiência mística nasce, cresce, amadurece e se consolida nela o desejo de conversão dos pecadores, o amor aos pobres, o desejo de que todos levem no coração o amor de Jesus e de Maria: a “fantasia da caridade”, aquela “capacidade de imaginar modos de cuidar dos outros e a coragem de iniciar novos projetos que deem esperança aos desanimados e levem à acolhida dos excluídos” (Conesa Francisco, Bispo de Minorca, 20 de junho de 2020).

“Faze com liberdade tudo o que requer a caridade!” (C 35,3): o eco das palavras de Madre Mazzarello toma forma na caridade imaginada pela Beata Maria Romero. Nela esta caridade criativa era brilhante, sobretudo na primeira metade do século XX: não se limitava ao trabalho na escola, mas saía, através das suas missionárias, para ir de casa em casa para levar o Evangelho e ajudas materiais. Não se limitou apenas ao oratório da sua comunidade, mas chegou a fundar 36 oratórios nas periferias, em coordenação com os Arcebispo e párocos, propagou incansavelmente a devoção a Maria Auxiliadora, abriu obras sociais…

“Desejo muitas coisas e as coisas que desejo, desejo muito, mas só para a maior glória de Deus e a salvação das almas. E estas coisas submeto sempre à obediência, acreditando que se não me concede, a renúncia será para o Senhor de maior glória e para mim de maior bem. Mas… as milhares e milhares de almas que correm e correm às cegas nas trevas da morte… Ah, Madre Margarida! Esta tentação ou pensamento não cessa de oprimir o meu coração… Como compreendo o nosso Pai [Dom Bosco] no seu grito: “Da mihi animas…” (Carta à Madre Margarida Sobrero, 10 de dezembro de 1973).

«Submeto cada coisa à obediência” era uma constante da sua vida, do seu anseio de configuração a Jesus Cristo, o Servo obediente do Pai (cfr. Fil 2, 5-8). E esta configuração não foi fácil, experimentou um profundo sofrimento, angústia, crucifixão, morte: uma diretora proibiu-a de pedir esmola para os oratórios, uma outra a humilhava publicamente, uma Inspetora interrompe a obra dos oratórios de periferia, proibiu-a de dar a água da Virgem e de receber as pessoas que vinham procurá-la… e não foram dias, foram anos… O sofrimento maior da Irmã Maria não era por ela, mas pelo bem que não se podia fazer; foi a sua purificação e fez experiência de que a obra não era sua, mas do Senhor, e Ele nunca a deixava sozinha.

Mas crede-me, acima de tudo, e mesmo acima do meu desejo principal, pelo qual e em torno do qual giram todos os outros, está a Sua Santa Vontade, que prefiro ao próprio Céu, porque prefiro, como dizia São Francisco de Sales, ser um mosquito pela vontade de Deus e não um serafim por vontade minha; por isso, no final das ardentes súplicas, concluo dizendo a Ele: “Não a minha vontade, mas a tua seja feita, faça-se em mim segundo a tua palavra, nas tuas mãos confio o meu espírito” (Carta a Don Wenceslao Doležal, SDB, 21 de novembro de 1957).

Hoje, a Beata Maria Romero encoraja a não cair na dupla tentação frente aos sonhos e projetos de bem: avançar com arrogância ou permanecer estagnados numa submissão mortal. Encoraja a contemplar tudo no mistério pascal de Jesus Cristo, a recordar-nos de que as obras não são nossas, são do Senhor, e a confiar total e radicalmente em Maria Auxiliadora.

“E tenho muita certeza, também pela minha longa experiência, de que, com a ajuda da Virgem, autorizada pela obediência e por NADA MAIS, tudo correrá bem; porque Ela, antes, é aquela que faz tudo” (Carta a Madre Pilar Letón, então Inspetora da América Central, 8 de dezembro de 1972).

3 COMENTÁRIOS

  1. Sono venuta a trovarti Madre Preziosa Stammi vicina e dirigi le mie azioni al Signore e alla Mamma Celeste Maria Ausiliatrice.🌿🙏🌺💖

  2. Grazie Signore,Maria Ausiliatrice,Spirito Santo per il dono grande,prezioso di suor Romero.A lei mi affido alla sua intercessione.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.