Roma (Itália).  A Madre Geral do Instituto das Filhas de Maria Auxiliadora, Irmã Yvonne Reungoat, na proximidade da Solenidade de Maria Auxiliadora, compartilha na Circular algumas reflexões que sente serem como um novo chamado a ser luz, sementes de vida nova e esperança neste tempo conturbado, um apelo a dar novo impulso no caminho de santidade com Maria, “muito presente, sempre próxima”.

A presença de Maria na nossa vida é inspiração e chamado a tornar nossas comunidades sempre mais “marianas”, para viver a humildade alegre do Magnificat e ser “auxiliadoras” entre as jovens e os jovens (cf C 4).

Propõe três atitudes para contemplar Maria e olhá-la como o farol que ilumina o cotidiano e ajuda a enfrentar a névoa que, às vezes, se põe no horizonte.

Um olhar de contemplação

Contemplá-la como Mãe, aquela que viveu a experiência de contemplar Jesus entre seus braços, e por Ele sentir-se ternamente guardada com doçura e alegrada por seu sorriso.  Maria é a primeira a ver Deus face a face e a contemplar seu rosto: “Ela nos ensina que, contemplar é olhar para Deus com simplicidade e fidelidade, e é também deixar-nos olhar por Ele”.  Mãe por vocação, cuida de todos os seus filhos e filhas, ensinando a fidelidade mesmo em situações de vida que não correspondem às expectativas, para acolher o projeto de amor de Deus. Para colocar no centro da vida e da missão de Jesus, neste particular momento histórico, é preciso “colocar Maria em casa”: Maria deve habitar nas Comunidades das FMA, como em Mornese e Nizza Monferrato.

Um coração habitado pelo Magnificat

O tempo especial que vivemos não impede a vontade de semear esperança e de caminhar com compromisso e gratidão rumo ao 150° ano de Fundação do Instituto das FMA “unidas a Maria, para ser “geradoras de vida nova” e reavivar a riqueza do carisma contagiando-o em todo o mundo”.

A Madre convida a redescobrir a beleza de ser memória viva de Maria hoje, e a retomar o Projeto Formativo Nos sulcos da Aliança, onde se delineia a identidade mariana das FMA, empenhadas em expressar hoje “o inédito da sua vida” e a transmitir sua presença às novas gerações (cf págs. 29-31). Com Maria é possível escrever novas páginas de história com s/os jovens e com as Comunidades educativas, entoando juntas o hino do Magnificat que brilha com a luz do carisma salesiano.

Qual página escrever juntas num momento histórico que o Papa Francisco define “a hora da verdade”? É um sonho de comunhão, que pode se tornar realidade com a ajuda do Espírito: “Onde está Maria está o Espírito Santo e, com a sua presença, as nossas comunidades podem se reconhecer verdadeiros “cenáculos espirituais”, “lugares de perfeita humanidade”, acolhendo os desafios da contemporaneidade como oportunidade para ser artífices de comunidade-comunhão e para deixar ”explodir” o Magnificat: um canto que reconhece as grandes maravilhas realizadas por Deus em cada criatura e em nosso Instituto que é todo de Maria”.

Uma vida toda doada à missão

Madre Yvonne expressa a certeza de que o Capítulo Geral XXIV será um acontecimento do Espírito Santo em que Maria terá um lugar privilegiado: “Considero o Capítulo geral como um novo “Pentecostes”, uma seiva de vida que fecundará as Comunidades educativas”. A felicidade autêntica dos jovens é uma prioridade para cuidar, para que tenham serenidade, paz e vida digna para serem cidadãos ativos e responsáveis ​​na sociedade: “Neles está o presente e o futuro da humanidade. São um tesouro  precioso para valorizar.  Eles nos acompanham em nosso caminho de santidade que construímos juntos”.

A Madre se detém sobre dois aspectos essenciais do caminho da santidade: “ser sempre mais apaixonadas/os pela missão educativa no espírito do “da mihi animas cetera tolle”, compartilhando com os jovens e “Anunciar com paciência, respeito e confiança que a vida é vocação, é missão”. Deus não cessa de chamar e espera de nós, com paciência, ainda hoje, a resposta disponível como a de Maria: “Eis a serva do Senhor: faça-se em mim segundo a tua palavra” (Lc 1, 38).

A celebração da solenidade de Maria Auxiliadora, em 24 de maio em Turim Valdocco (Itália) na Basílica Maria Auxiliadora, é uma oportunidade de pedir a Maria para “renovar-nos no empenho de santidade e no ardor missionário”. A Ela confiamos o “CG XXIV, a vida das/dos jovens, as comunidades educativas, os grupos da Família Salesiana e, em particular, as/os Ex-alunas/os, para anunciar juntas que “há um único grande chamado no Evangelho , que é o de seguir Jesus no caminho do amor”” (Papa Francisco – audiência, 5 de maio  de 2021).

Circular n°1009

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira seu comentário!
Please enter your name here

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.