Ouvir o grito da terra e o grito dos pobres

Roma (Itália). No dia 6 de agosto de 2015, Papa Francisco instituía um dia de oração pela guarda da ‘casa comum’: «Compartilhando com o amado irmão, o Patriarca Ecumênico Bartolomeu, as preocupações pelo futuro da criação [...] desejo comunicar-lhes que decidi instituir também na Igreja Católica a “Jornada Mundial de Oração pelo cuidado da Criação” que, a partir do corrente ano será celebrada no dia 1º de setembro, assim como já acontece há tempo na Igreja Ortodoxa».

Com estas palavras o Papa reafirma o quanto disse na Encíclica “Laudato sì” e convida todos a ouvirem o grito da terra e o grito dos pobres, que mais sofrem com os desequilíbrios ecológicos. A Jornada é uma oportunidade para renovar o empenho pessoal frente ao dom recebido, para agradecer a Deus pelas maravilhas da Criação que Ele deu a seus filhos e para assumir, com renovada decisão, a responsabilidade frente à crise ecológica do planeta e empreender o caminho de uma verdadeira conversão ecológica.

A Mensagem para a Jornada 2017 expressa um marcado caráter ecumênico, por ter sido preparada em conjunto pelo Papa Francisco e “o querido irmão Bartolomeu”, Patriarca Ecumênico de Constantinopla. As Conferências Episcopais do mundo todo, os Organismos nacionais e internacionais empenhados no âmbito ecológico, divulgaram orientações e subsídios para sustentar a iniciativa.

«Unidos pela mesma preocupação quanto à criação de Deus e reconhecendo que a terra é um bem comum, convidamos ardorosamente todas as pessoas de boa vontade a dedicarem, no dia 1º de setembro, um tempo de oração pelo ambiente. Nessa ocasião, desejamos render graças ao benévolo Criador pelo magnífico dom da criação e empenhar-nos em guardá-lo e preservá-lo pelo bem das futuras gerações. Por fim, sabemos que nos cansamos inutilmente se o Senhor não estiver ao nosso lado (cf Sl 126/127), se a oração não estiver no centro de nossas reflexões e celebrações. Na verdade, um objetivo da nossa oração é mudar o modo com que percebemos o mundo para mudarmos o modo com que nos relacionamos com o mundo. O fim de quanto nos propomos é sermos audazes em abraçar uma simplicidade e uma solidariedade maior em nossos estilos de vida» (Mensagem conjunta do Papa Francisco e do Patriarca Ecumênico Bartolomeu para a Jornada Mundial de Oração pela Criação).

A Conferência Episcopal Italiana (CEI), escolheu como tema: “Um mundo para amar e para viajar”, que lembra a condição humana de eternos viandantes. “Dentro do perímetro do nosso coração, assim como nas fronteiras da terra, casa comum que chamamos de ‘mãe’ e de ‘irmã’, mas tratamos e, muitas vezes ferimos, como se fosse uma estranha”.

E assim afirma Papa Francisco que “Deus perdoa sempre, nós homens perdoamos algumas vezes, mas a criação não perdoa nunca e se você não a conservar, você a destruirá” (Audiência geral, 21 de maio de 2014).

O desafio ambiental que vivemos e as suas raízes humanas dizem respeito a nós e nos toca a todos. Para onde está levando a mudança climática? Por que a falta de água, as inundações, os tsunamis, a contaminação ambiental e tantos outros fenômenos naturais que estão acontecendo? Esperamos sintonizar-nos com o movimento ecológico mundial, que já percorreu um longo e rico caminho, para favorecer uma educação ecológica e uma espiritualidade, que nos torne louvor vivente do Criador do Universo, conscientes de que toda nossa ação repercute positiva ou negativamente sobre o bem comum.

O texto integral da mensagem nas 5 línguas

Preghiera

Escrever comentário
Não há comentários a esta entrada.
Seja o primeiro a comentar!

OK Su questo sito NON utilizziamo cookie di profilazione, ma solo cookie tecnici e/o per il monitoraggio degli accessi. Se vuoi saperne di più clicca qui. Cliccando sul pulsante OK presti il consenso all'uso di tutti i cookie.